Defesa da vida ou da economia? De qual lado você está? A dúvida não procede.

Quem escolhe um dos lados assume a mesma maneira de enxergar o cenário da pandemia da Covid-19. Seja qual for a escolha, diante da falsa polêmica, o que prevalece é o conflito, em detrimento da solução.

Diante do inimigo comum, implacável, mortal e cruel, o confinamento se impõe como solução coletiva. O colapso dos serviços médicos põe em risco a vida de milhões de pessoas, que ficariam desassistidas devido à inviabilidade física delas serem atendidas simultaneamente – tanto pelo serviço público como privado de saúde. Caso isso viesse ocorrer, com o fim imediato do confinamento social, os prejuízos à economia seriam infinitamente maiores. Incalculáveis!

Não foi outra a razão que motivou todos os países adotarem o isolamento. Alguns até espontaneamente, como Suécia; outros, como Portugal, onde a sociedade civil organizada se antecipou ao governo; outros ainda, por imposição deste, como foi o caso da Espanha. Mas, invariavelmente, foi o isolamento que antecedeu e viabilizou a retomada rumo à nova normalidade, de forma organizada e planejada.

A realidade se impõe e não permite pensar o futuro sob a ótica do passado. Sem discriminação de classe, credo, raça, nacionalidade ou gênero, a Covid-19 é uma realidade, que reconduziu o ser humando à fragilidade da sua própria espécie. Porém, também fortaleceu a percepção do quanto precisamos uns dos outros.

O desafio comum para a humanidade, cada vez mais conectada, é compor o novo normal, sob a égide do bem comum; o respeito à diversidade e o compromisso de todos contribuírem com o desenvolvimento sustentável. Economia e Vida saudáveis são valores indissociáveis.

Não vamos esmorecer, #FiqueEmCasa, mas não de braços cruzados.

Não vamos esmorecer, #FiqueEmCasa, quem puder. Na hipótese incontornável de precisar sair, adote as medidas sanitárias, principalmente a máscara. Mas lembre-se, máscaras não substituem o isolamento.

A Sociedade – pessoas físicas e jurídicas – precisa zelar pelos mais vulneráveis, os informais. ADVB e IRES, com parceiros, convidam você para conhecer o Projeto aMei. Iniciativa solidária, dedicada aos microempreendedores individuais, que situam-se no limite da informalidade. Acesse www.projetoamei.com.br, divulgue, compartilhe, e quem puder, faça sua doação.

Não se esqueça dos alertas feitos pelo pai do Marketing, Philip Kotler, quando aponta o caminho da longevidade às corporações que sonham sobreviver e prosperar pós-Covid-19:

“Especifiquem seu objetivo maior e como estão servindo ao bem comum”.

Envie e-mail para presidencia@advb.org e solicite mais informações sobre como participar do Projeto aMEI.

.

Nesta edição, a ADVB News prestigia a empresa Allplats, que é parceria no Clube de Benefícios oferecidos aos nossos associados e apoiadora do Projeto aMEI, assim como o protagonismo desempenhado pelo Instituto ADVB de Responsabilidade Socioambiental – IRES, cujo notável histórico de realizações vem ao encontro da mesma ação solidária.

Recomendamos, ainda, conhecerem o movimento Go Live Brasil, voltado à união de todos os elos da Indústria de Eventos, altamente prejudicados com a pandemia da Covid-19. Aliás, notadamente constituída por milhares de MEIs – os mesmos que ao longo de décadas trabalharam para garantir o sucesso dos eventos da ADVB, os quais alavancam vendas em todos os setores da economia: Top de Marketing, Personalidade de Vendas, Top Destinos Turísticos, Fórum de Temas Nacionais, Top de Sustentabilidade, entre outros que marcam a trajetória da entidade desde a fundação.

Boa leitura. #FiqueEmCasa e se puder, faça sua doação.

Aristides de La Plata Cury
Presidente da ADVB