Antes de entrar escola, pedia para minha mãe me deixar ir com as outras crianças uniformizadas que passavam na calçada. Escola era meu objetivo: meu foco.

Quando entrei, finalmente, na escola amava estar com os colegas e professores então prestava a atenção na explicação de forma que rapidamente completasse a tarefa em sala para estar livre para novamente buscar interagir com as pessoas. Gente sempre foi e sempre será mais importante do que coisa, para mim.

É verdade que eu colecionava 10, como uma colega uma vez me disse, mas penso que a competição era e sempre foi comigo mesmo ou seja: com a minha consciência.  Buscava e busco excelência no que realizo.  Executar com excelência faz parte do meu DNA.

Na época que ingressei no mercado de trabalho, eventualmente, passei pela prova de ter que estar muito bem preparada para discutir o assunto tecnicamente. A aparência nova, pouca idade e a voz delicada levava a maioria das pessoas a pensar que estava diante de uma assistente do gerente, não diante da responsável pela unidade. Situações assim aconteceram em menor frequência a medida que os anos avançavam e a experiência crescia, mas nunca desapareceram. Aqui destaco o respeito pelas pessoas e a excelência na execução como linhas de conduta para realizar a tarefa.

Longe da síndrome de coitadinha, nunca parei para pensar no que me impedia de avançar. Pensava no que realizar e como. Na verdade, nem percebia a barreira de forma clara. Naquela época as “barreiras” não tinham nomes como hoje: bullying, preconceito, desigualdade. Fazer era a única opção, sem mimimi. A vida é feita de obstáculos e até para nascer temos que romper logo superar é rotina para quem decide seguir.

Superei e supero o desdém, preguiça, desânimo, frustrações e nãos e como eu, você também supera.

O principal é avançar com foco no seu objetivo, tendo seu plano de ação, estratégica clara e valores definidos.

A minha missão e meu propósito só eu posso trilhar e sei onde quero chegar. Sigo meu caminho sabendo onde e como chegar, no meu tempo – objetivo e foco podem mudar de tempos em tempos, mas tem que ter!

Em toda trajetória, gente é o que mais me chamava atenção e pelo visto é o que mais me importa. A começar por mim!

Cristina Calligaris – Gente que Gosta de Gente

Vice Presidente do núcleo ADVB Mulher.