Por Marcelo Salvo

Ser líder é um desejo de muitos profissionais, porém junto com o status do cargo vêm as angústias de um falso poder, a necessidade de autocontrole e autoconhecimento para lidar com pessoas e a importante consciência de que o fato de estar não tem a ver com o ato de ser.

Quanto antes um profissional souber das aflições e angustias que o cargo de liderança reserva, menos ele cria uma expectativa ilusória e mais se preparará para as obrigações e deveres, podendo equilibrar suas emoções e cuidando de sua saúde durante sua carreira.

Relato 13 cicatrizes que adquiri nestes últimos 17 anos onde atuei como coordenador ou gerente comercial de algumas empresas e segmentos diferentes.

1 – Administrar Conflitos – Gerenciar conflitos dentro das equipes é uma tarefa árdua, trata-se de pessoas que pensam diferente, com problemas tão diferentes que para chegar a um acordo, se torna muitas vezes impossível, e quanto mais conhecemos essas pessoas, sabemos que todos tem a sua verdade e não aceitam a verdade do outro, as pessoas se limitam na sua individualidade e passam a não respeitar a opinião do outro para se protegerem ou simplesmente para se auto afirmarem.

2 – Motivar sem acreditar – Trabalhei em algumas empresas onde eu precisava motivar pessoas, sem acreditar em dias melhores, pois sabia que a cultura da empresa era engessada e não caminhava para onde seria o certo caminhar, por isso o líder, para manter sua equipe, que acredita ser a melhor, ele acaba dizendo algo mesmo sem estar sentindo. Muitas vezes conseguimos atingir metas que jamais eu imaginei chegar e chegamos a patamares que não acreditei que chegaríamos.

3 – Definir meta, sem ter definição da empresa – Muitas empresas começam o ano sem metas definidas, nem para o setor comercial, mas se o líder não tomar a frente e pensar em algo, perderá pelo menos os dois primeiros meses do ano quando a meta for definida, dessa forma, atingir a meta estipulada com base nos 12 meses do ano, nunca será fácil, conhecendo a cultura da empresa onde trabalha e a visão da diretoria em relação ao ano anterior, o líder estipula uma meta fictícia em janeiro e depois corrige após a confirmação da meta real.

4 – Conviver com a competição sem regra – Ser líder é conviver constantemente com competição, seja ela entre integrantes de sua equipe, entre setores, entre pares ou até mesmo com a concorrência externa, ou seja, em vendas não existe aquela frase “o que importa é competir”, em vendas, essa frase é o mesmo que declarar fraqueza, sendo assim, vivemos uma competição em 100% do tempo, mesmo sem querer. A competição é saudável desde que seja uma forma de motivação, mas devemos entender que nem sempre se ganha um jogo.

Nos dois próximos posts teremos a conclusão da matéria.

 

Marcelo Salvo, Colunista do Blog do Vendedor e Consultor de T&D na Atitude Profissional    atitudeprofissional@atitudeprofissional.net

2 COMENTÁRIOS

  1. Concordo plenamente, por isso a função é definida como”Gestão”, caso contrário teria outro nome qualquer.
    Resumindo, importante estar preparado e procurar a entender a função para ter o mínimo de condição para assumir o desafio quando a oportunidade chegar.

  2. Boa noite, gostei muito é isso que nós serem humanos temos que seguir: respeitar o próximo, ser mais humano,ser mais dedicado na quilo que está fazendo; ter uma opinião construtiva e comprometedora.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here