por Aristides de La Plata Cury

Respirar turismo o tempo todo, por conta de atividades representativas e empresariais, enriquece o entendimento e aguça a percepção sobre o que vem acontecendo em São Paulo. É animador percorrer interior e litoral paulistas, para encontrar prefeitos, vereadores, gestores municipais e lideranças empresariais interessados no turismo. Veem nele alternativa de geração de emprego, renda e expansão de negócios – na maioria dos casos micro, pequenas e médias empresas.

O turismo sai da prateleira do secundário para ganhar a vitrine do prioritário. São Paulo desperta para essa poderosa indústria sem chaminés, a exigir ações concatenadas, com planejamento estratégico definido, prospecção e gestão de recursos, e last but not least, envolvimento da comunidade impactada.

Em processo iniciado muito antes, que tinha como marco a Lei Complementar 1261, de 29/04/2015, dois fatos históricos merecem registro: 31 de maio, na Alesp, e 1º de novembro, no Palácio dos Bandeirantes. Em ambas oportunidades, o governador Geraldo Alckmin sancionou leis que classificam, respectivamente, 20 e 31 cidades como Municípios de Interesse Turístico (MITs).

Cada um deles receberá cerca de R$ 550 mil por ano, do Fundo de Melhoria dos Municípios Turísticos, com dotação orçamentária de R$ 407 milhões em 2017. Destes, R$ 3,2 milhões foram liberados para 9 MITs, por meio de convênios firmados logo após a cerimônia mais recente. Nas duas ocasiões, o governador salientou que “turismo é geração de emprego e distribuição de renda”, e que “o turismo está no DNA de São Paulo”.

De fato, ao final do processo, com a aprovação de 140 MITs, São Paulo terá quase um terço dos municípios inclinados para o setor turístico, somadas as 70 estâncias (originariamente balneárias, climáticas, hidrominerais e turísticas), até então as únicas prefeituras com acesso àquele fundo milionário.

É nesse contexto que se situa a iniciativa da ADVB – Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil – e do Skål Internacional São Paulo, em lançar o prêmio Top Destinos Turísticos. Residentes e turistas têm oportunidade de votar em três destinos preferidos, sendo um do coração, e dois de turismo, estes últimos no rol dos 645 municípios do estado de São Paulo. O Top Destinos Turísticos vai premiar 39 cidades paulistas, três em cada um de 13 segmentos do turismo, inspirados na referida LC 1261/15.

A votação encerrou dia 30 de novembro de 2017 e ocorreu por meio do site oficial  www.votetop.com.br

A festa de premiação será dia 28 de fevereiro de 2018.

O prêmio Top Destinos Turísticos é uma solução criativa para as cidades se promoverem, com ênfase nos Municípios Turísticos, Estâncias e MITs. Isso vem ao encontro da ação governamental em relação ao turismo, e representa oportunidade ímpar, tanto para prefeituras quanto para empresas do respectivo destino, que assim podem, com excelente relação custo-benefício, ampliar visibilidade junto ao mercado.

Por fim, Skål São Paulo e ADVB expressam todo reconhecimento à vontade política inequívoca do governador Geraldo Alckmin, à relevante proatividade dos deputados estaduais e ao determinante engajamento de prefeitos, vereadores, gestores e empresários dos primeiros 51 MITs. Que venham os outros 89! E que possamos, juntos, MITs e Estâncias, implantar medidas inovadoras para o deslanche definitivo do turismo paulista e brasileiro.

Aristides de La Plata Cury – Presidente da Skâl Internacional São Paulo e VP do Núcleo ADVB Turismo
presidencia@skalsp.com.br